sábado, 9 de novembro de 2013

Divulgando exposição



Keiko Mayama, eminente ceramista - poetisa do barro, comemorando 25 anos de seu ateliê,
traz ao Museu Janete Costa seus convidados.

Sendo uma delas, presentarei  uma rede de ações coletivas: Palavras na Terra - caminhos e descaminhos da comunicação, 
com a participação de Adriana Mastoub, Cledihelen Souza Mitrof, Daniel Leão, Denise de Oliveira, Edwiges Barros, Eni Milza de Oliveira, 
Felipe Almeida, Ivar Rocha, Laura Freitas, Letícia Valladares, Lívia Grijó Hayfeld, Lucyna Verônica Brocki Cozzolino, 
Margarida Maria Pimenta Velloso, Mariane Monteiro Miranda, Miguel Ângelo Catete, Rita Neli Azevedo, Sandra Lúcia dos Santos, 
Simone Dias Jacques, Simone Nascimento, Valéria de Souza e Wilson Lima.

O mundo é um telefone sem fio.
Propus uma conversa por várias peças de barro que fiz. Elas se soltaram e lançaram desafios.
Pude conhecer coisas minhas que me surpreenderam e até assustaram.  Autorrevelação.
Os artistas participaram fazendo as peças e responder aos questionários, dando ideias, escolher cores, pintando as peças.
Mas a montagem do texto final, a interação das vozes que estava na caixa preta, foi meu trabalho solitário - coisa de voyer, 
de brincar de deus.
Aos poucos a grande conversa foi se delineando, confusa, truncada, bela como são todas as tentativas humanas de 
compreender e fazer-se compreendido.

Fazer as peças foi só o ensaio. A exposição poderá surpreender seus próprios autores.
A obra só vai se revelar à montagem - partes separadas não podem adivinhar a polifonia do conjunto. 
Sabedoria implícita de grupo só se revela quando acontece junta, na hora do espetáculo. 
Vida. 
Acontecer de um trabalho coletivo que se monta para uma só vez.

Ao fim da exposição as peças vão dar adeus umas às outras - cada um leva sua peça para casa.
A obra vai se diluir enquanto se multiplicar: a peça única se separa em outras tantas obras
- rabo de lagartixa.
Onde irão parar essas peças que nasceram irmanadas e que já moraram juntas, em plena (des)comunicação? 
      Conto com a sua presença na terça-feira dia 12 de novembro às 17h no Museu Janete Costa.
 Um abraço.

                       Denise Vianna

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Mitologia e Arte: A Odisséia de Ulisses



III Encontro Nacional de Terapia Expressiva
Mitologia e Arte: A Odisséia de Ulisses 
Somos todos Ulisses à deriva, em mares violentos e ventos imprevisíveis

Programação:
. Mesa Redonda: As múltiplas faces da Odisseia
Denise Vianna . A saída de casa: o chamado
Antônio Machado . Representações plásticas do mito 
Gladys Schincariol . Hermes abrindo os caminhos
Maddi Damião . O retorno para casa

  • A Odisséia de Ulisses - Oficinas integradas, teatro e vivências
  • Conjunto de Música Antiga da UFF
  •  Exposição de Fotografia
  • Exposição dos alunos do Curso Cuidar de Si com Arte
  • Danças Circulares


Inscrições para as oficinas por e-mail:

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Dança circular no evento TECI-HUAP de Portas Abertas


Confiram o vídeo da dança circular no Evento TECI-HUAP de Portas Abertas em agosto de 2013 no Campus do Gragoatá com a focalizada Eliene Sobreiro!

sábado, 28 de setembro de 2013


Vamos dançar! Próximas rodas de dança circular com Eliene Sobreiro dias 3 de outubro e 7 de novembro (quintas-feiras). 
Sempre as 15h no Saguão do Hospital Antônio Pedro. Apareça! Dance! Divulgue!

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Divulgando o evento!


Parte da equipe no evento TECI-HUAP de Portas Abertas




Agradecemos a todos a presença no nosso primeiro TECI-HUAP de portas abertas, foi uma tarde para compartilhar e aprender. Obrigado!

Em breve fotos do evento na nossa galeria.


Parte da equipe do Programa TECI-HUAP junto ao Ipê florido do campus do Gragoatá - UFF. 

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

TECI-HUAP de Portas Abertas

Na próxima semana, dia 15 de agosto, a partir de 14h, teremos o evento TECI-HUAP de Portas Abertas.  É gratuito! Participe, Divulgue! 


  • Mesa redonda e resultados das ações do Programa
  • Exibição de Documentário "Rebento o que nasceu em 2012" de Eunice Vasques
  • Exposição de fotografias "A beleza revelada pela lente" de Felipe Ferreira de Almeida e Daniel Nolasco
  • Dança circular "A identidade de grupo no círculo da dança" com Eliene Sobreiro
  • Intervenção na natureza "Brotando sempre" de Keiko Mayama



segunda-feira, 29 de julho de 2013

HUAP vai dançar! Uma despedida...

Olá! Na próxima quinta, 1o de agosto, dia que marca o retorno das aulas do curso "Cuidar de si com arte", marca também a despedida da focalizadora Luciana Ostetto, da ação "O HUAP vai dançar!".

Foram quase 3 anos de danças (desde de 2011), muitos encontros, muitas experiências e aprendizagens, partilhadas com todos aqueles que aceitaram o convite e vieram para a roda dançar a vida. Viva!

Por isso, vai aqui nosso convite especial: venha dar as mãos nesse fechamento de ciclo, celebrando e agradecendo a vida pelas possibilidades de girar de mãos dadas, no encontro com cada um e com todos.

Esperamos vocês as 17h, no mesmo local - saguão do hospital Antônio Pedro.

Divulgando - Oficinas Terapêuticas

Reconhecendo o potencial das deusas 
que existe em você 




    Local da Oficina
     

sexta-feira, 19 de julho de 2013

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Danças em junho!


Venham ver o HUAP dançar no dia 06 com Eliene Sobreiro 

e dias 13 e 27 com Luciana Ostetto, sempre às 17h!
Dance com a gente! 

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Pensando a Terapia Expressiva



Pensar sobre as palavras é sempre um exercício gratificante e instigante. Indo-se ao dicionário, surpresas acontecem, como quando se pensa sobre o verbo pensar.
 Pensar, intransitivamente, refere-se a formar ideias, refletir, raciocinar, tencionar, ter no pensamento.
Mas ao referir-se à algo ou alguém, assume  o sentido de imaginar, julgar, tratar convenientemente, dar penso a, fazer curativo (!).
É por isso que o título de nossa sessão não é “Pensando sobre a Terapia Expressiva”, mas sim “Pensando a Terapia Expressiva”.
Podemos filosofar à vontade, mas quando se objetiva esse pensamento passa-se a comunicar, interagir, objetivar, trocar, admitir consensos e dissensos. Cutucar a Terapia Expressiva para que ela permaneça viva, isso é curar: dar espaço de fluxo e de trocas.
A interação com a beleza alheia é muito mais beleza!